Bem Estar

RELIGIÃO TRAZ BEM-ESTAR?

Por Ju Camata

É de consenso que religião não se discute, porém, iremos abordá-la aqui através do prisma do bem-estar e não da crença. Desde que nascemos, de alguma forma, somos apresentados á religião, seja por familiares ou através de vizinhos, amigos ou mais tarde, na escola.

Foto : Revista Època – Muro das Lamentações

Com o advento da internet, a religião caiu em total descrédito junto a nova geração

Pelo menos aqui no Brasil, grande maioria, para não dizer todos, possuem um conceito sobre este assunto que já trazem organizado, formatado em mente, desde a infância, adolescência.  É um tanto raro, encontrar alguém que ainda não tenha uma ideia própria sobre religião.

Religião, ou, em outras palavras, o “religar” a algo divino, sagrado, é assunto controverso e um tanto assustador hoje, onde a corrupção, política duvidosa e práticas discriminatórias dentro de comunidades religiosas estão cada vez mais sendo reveladas.

Além do mais, com o advento da internet, a religião caiu em total descrédito junto a nova geração.

Dentro do meio religioso também existe um submundo.

No passado ela ditou regras e leis a muitos povos e causou vários episódios horrendos e tristes. É só pesquisar, ir mais a fundo e se deparar com as barbáries praticadas pela igreja em nome de Deus.

Ainda não é possível considerar que as coisas mudaram, vendo os persistentes noticiários, sobre “guerra santa”, envolvimentos de religiosos em crimes de intolerância sexual, abusos de toda espécie, além da ligação demasiada da religião com a política pública.

Todos sabemos que assim como na política, futebol, televisão, cinema e outros, dentro do meio religioso também existe um submundo. Aqueles bastidores sombrios e que esconde ações vergonhosas e lamentáveis.

Por outro lado, a religião traz umverdadeiro sentido de vida a muita gente. Essas pessoas se sentem bem quando têm um encontro com aquilo que elas acreditam ser inacessível, sobrenatural e milagroso. Elas se sentem protegidas e aliviadas em seus mais variados problemas e dificuldades.

Há muitas religiões e diversos tipos de religiosos. Ser religioso não significa somente ser membro de uma religião. Um dos tipos de religioso é aquele que não é praticantede nenhuma religião, mas sente terem si o religamento transcendental, se reconhece como um templo sagrado conectado com algo superior e vivencia isso, diariamente. Sem generalizar, o mais comum de encontrarmos é o religioso que sente a necessidade ou obrigação de frequentar e ter uma prática em local propício, líderes que o direcione e ter encontros com pessoas afins, para exprimir e lhe confirmar que é especial, um escolhido.

Existe a fé dentro e fora da religião.

Papa Francisco – Foto : Aventuras na História

Só para citar, existem também os que se deixam manipular mentalmente por outros religiosos mal intencionados e claro, não esquecendo os fanáticos, extremistas e os que frequentam um ambiente religioso por apenas curiosidade ou para ter um contato extrafísico, paranormal. Não vamos tratar aqui de seitas ou ramificações das religiões que atentam contra a vida humana, pois, trazem um falso tipo de bem-estar para os seus adeptos.

Para um grande número de pessoas a fé é um bem exclusivo da religião.

Há equívocos.

Existe a fé dentro e fora da religião, pois, ela, nada mais é do que um tipo de segurança, uma certeza que pode surgir da busca dos significados para a vida, do intelecto, intuição, emocional e mesmo da experiência ou saber de vida. É uma grande qualidade quando verdadeira. Isso se pode ter no campo religioso ou em outro qualquer.

A fé independe de comando e confirmação externa.

Entre religiosos e não religiosos, hoje vamos ficar com aqueles que se sentem bem dentro de uma religião.  Neste caso, são pessoas que encontram, na prática religiosa um modo de ter acesso aos seus mais íntimos sentimentos e emoções, conseguem aos poucos, entendê-los, ressaltar alguns e eliminar outros, obtendo com isso, subsídios para uma vida melhor. Quando a vida melhora, o bem-estar sempre se apodera do discípulo, membro deste tipo de doutrina. Assim, religioso e religião, se tornam aliados, gerando desta aliança, benefícios para ambos.

Enquanto muitos têm prazer, conseguem relaxar, sentem queridos, seguros, com autoestima e autoconfiança elevadas; outros sentem tudo isso e ainda fazem grandes e acertadas transformações em suas vidas, pelo simples fato de estarem ligados a uma comunidade religiosa. Mudanças que induzem a melhorias em si próprios e que refletem nos familiares. Isto é o resultado de se sentir num estado bom, que é uma das peculiaridades do bem-estar. Logo, uma das opções onde podemos ficar e sentir bem é na religião. Desde que, sendo devoto praticante com parcimônia, bom senso e sempre utilizando o raciocínio lógico.Pois, assim, teremos consciência para melhor sentir, discernir o bem alcançado e o espaço mental que ele deve ocupar.Quando deixamos o raciocínio de lado, a dominação mental por outrem, é certeira. Mesmo quando acontece inconscientemente, produz certa inércia na evolução humana.

A religião tem como ingrediente básico, o amor.

Ritual de Umbanda – Foto : Dom Total

Entre religião e terapia transpessoal há similitude.

Em algum momento, tanto o consultante como  o religioso, são abordados em todos os seus aspectos, espiritual, física, mental e socialmente. No caso da religião, a indução ao autoconhecimento é estritamente ligada a doutrina, isto é, o despertar do se conhecer é sob a égide daqueles determinados preceitos. Como existem os maus terapeutas, existem também as más religiões. Está aí a importância do cuidado ao escolher uma religião, pois, nesta “terapia” você pode melhorar, estagnar ou piorar.

O mais importante nisto tudo é o sentir. Sendo religioso praticante ou não, a busca pelo sentir bem é inegável. Mesmo a religião sendo ilusória e exploradora para muitos, outros tantos são praticamente reforçados em suas melhores capacidades através dela. O que talvez possa passar despercebido é que além de trazer uma melhora em todos os sentidos, a religião faz isso porque tem como ingrediente básico, o amor. Por mais manipulado, distorcido ou partidário seja, ele continua sendo amor. Quem tem a sensibilidade de enxergar toda a sua totalidade e nobreza, consegue ser um religiososensato, amoroso e feliz.

O amor e sua prática deveriam ser considerados uma religião soberana e independente, porque amar é ser verdadeiramente religioso. Esta prática é a única que realmente salva o ser humano de sua própria ruína. Como disse Gandhi, importante líder religioso da Índia, se continuarmos no olho por olho e dente por dente, certamente terminaremos cegos e desdentados !

JU CAMATA,
Atriz, Master Practitioner em Programação Neurolinguística Sistêmica, Consultora Bioenergética, Terapeuta Transpessoal, Reikiana, Pesquisadora do Espiritualismo, Agente de Comunicação de Alta Perfomance, Facilitadora de Vivências, Cursos e Jogos de Autoconhecimento e Autoliderança com técnicas teatrais e de biodança.

Ponto Sete – Um espaço especial . Clique Aqui

4 comentários em “Bem Estar

  1. Oi Ju … excelente tua abordagem, eu mesmo por um período busquei na religião um sentido pra vida e de certa forma encontrei. Hoje entendo diferente, mas não julgo quem busca um verdadeiro encontro em Templos ou em Líderes, hoje compreendo que há sim, religião e espiritualidade, penso que estou perto da segunda hipótese. Talvez seja mesmo assim: Religião é a garrafa e a Espiritualidade é o que está dentro. Bjs

    1. Olá Clênio! Que bom que gostou do tema. E concordo contigo no exemplo da garrafa. Continuemos nós nestas descobertas religiosas que certamente vai nos lapidando para o verdadeiro amor. Abç! Obrigada pelo comentário

  2. Sim, o amor sem dúvida deveria ser a religião suprema na humanidade! Ele é o que nos une e nos torna seres melhores e evoluídos, é a base de tudo e todos! ❣️ Não importa a crença escolhida desde que o amor ao próximo seja a frase escrita e seguida por todos nós!

    1. Verdade Camila! Precisamos urgente de mais amor! Lembrando que só conseguimos amar ao próximo verdadeiramente quando nos amamos. Que possamos fazer isto para despertar o nosso potencial de amor. Gratidão pela leitura e o seu comentário. Abç

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *